BLOG





6 hormônios que podem atrapalhar seu emagrecimento

Está com dificuldade de perder peso? Atenção, podem ser os hormônios. Muitos não sabem, mas não são apenas a alimentação saudável e a prática de atividades físicas que influenciam no processo de emagrecimento, os hormônios também exercem um papel importante nessa missão. Por isso preparamos essa lista com 6 hormônios que podem atrapalhar seu emagrecimento. Continue a leitura e confira. 

Como os hormônios atrapalham a perda de peso? 

Os hormônios são responsáveis por regular o nosso metabolismo, que por sua vez exerce papel fundamental na perda de peso. A partir do momento em que os hormônios estão desregulados, o metabolismo passa a não funcionar adequadamente, o que dificulta a queima de calorias e ainda aumenta a pré-disposição ao armazenamento de gordura. 

São os hormônios que regulam a velocidade do nosso metabolismo e é por isso que ao estarem desregulados, dificultam o processo de emagrecimento. Normalmente esse processo é causado pela disfunção hormonal.

O que é disfunção hormonal?

Como o próprio nome sugere, a disfunção hormonal nada mais é do que um problema em que existe um aumento ou diminuição irregular na produção de hormônios relacionados ao metabolismo. 

São diversos os fatores que podem causar esse tipo de distúrbio. Inclusive, os problemas hormonais são muito comuns e podem causar sintomas como:

  • Fome em excesso 
  • Irritabilidade
  • Cansaço em excesso 
  • Insônia 

A disfunção hormonal, além de prejudicar o emagrecimento ainda pode causar doenças graves como a diabetes e hipotireoidismo, por exemplo. Por isso ao ser identificada, a disfunção deve ser tratada corretamente. 

Quais são os hormônios que podem atrapalhar o emagrecimento?

Contamos com muitos hormônios em nosso organismo, mas alguns em específico estão mais ligados ao metabolismo e esses podem atrapalhar o emagrecimento. Confira nossa lista com os 6 principais:

1 – Cortisol

Também conhecido como “hormônio do estresse”, o Cortisol é produzido pelas glândulas suprarrenais e atuam controlando o estresse em nosso organismo. Ele converte gordura em glicose através do fígado, proporcionando assim mais energia. 

Esse hormônio está presente em diversas atividades do organismo durante o dia, como na regulagem da pressão sanguínea, formação de novas memórias, além de auxiliar na digestão, controlando a maneira com que o corpo utiliza todas as proteínas, carboidratos e gorduras obtidas através da alimentação.  

Quando produzido em alta quantidade pode despertar o apetite e ainda estimular o fígado a produzir glicose em excesso, para que o corpo obtenha energia suficiente para lidar com as atividades diárias. Em excesso pode ainda aumentar os níveis de insulina e isso faz com que a vontade de comer seja direcionada a doces e alimentos gordurosos. 

Além de se alimentar mais por causa dessa liberação em excesso, como as substâncias produzidas pelo cortisol não são utilizadas pelo corpo, acabam sendo acumuladas e então armazenadas como gordura. 

2 - Hormônios da Tireoide (T3 e T4) 

Os hormônios T3 e T4 são produzidos pela glândula Tireoide, localizada no pescoço, por isso também são conhecidos por hormônios da Tireoide. Eles estão diretamente ligados com o metabolismo e auxiliam na regulagem de todo o organismo, como nos batimentos cardíacos, raciocínio, temperatura corporal e até mesmo na fertilidade. 

Quando a glândula tem baixo nível de produção dos hormônios, acontece o hipotireoidismo, e isso faz com que o metabolismo desacelere, dessa forma diminui-se o gasto calórico em repouso, o que dificulta a perda de peso. O contrário também pode acontecer, quando a glândula produz em excesso acontece o hipertireoidismo, fazendo com que a pessoa tenha dificuldade para ganhar peso. 

3 – Grelina 

Esse é bastante conhecido por ser o hormônio do apetite, pois é produzido principalmente pelo estômago e pâncreas. Ele é responsável por informar o cérebro que é hora de comer, além de auxiliar também no controle energético do corpo, equilibrando a ingestão e o gasto calórico. 

Quanto mais altos os níveis de Grelina no organismo, mais faminto o indivíduo fica, logo assim que come os níveis se estabilizam reduzindo assim o apetite. Contudo em dietas bastante restritivas ou em um caso de disfunção hormonal, seu nível aumenta de forma intensa, despertando assim maior apetite, fazendo com que a pessoa coma mais do que precisa, dificultando assim a perda de peso. 

4 – GH 

Conhecido também como hormônio do crescimento, o GH é responsável por auxiliar no crescimento longitudinal, assim como o linear e o das células e músculos. Além disso, ele estimula a transformação da gordura corporal em energia através da metabolização.

Quando desregulado, pode não cumprir sua função corretamente, fazendo assim com que a gordura do organismo não seja transformada em energia, além de causar ainda problemas graves, como doenças cardiovasculares, por exemplo. 

5 – Leptina

Esse é conhecido também como hormônio da saciedade, pois uma de suas principais funções é indicar quando o corpo já está saciado, através do nível de gordura armazenada, evitando assim que a pessoa coma mais do que deve. 

Em pessoas acima do peso a Leptina é encontrada em níveis mais altos, devido a quantidade de gordura armazenada no organismo, contudo estas acabam tendo certa resistência ao efeito do hormônio, o que as fazem não se sentirem tão saciadas após as refeições, quando deveria. 

Pessoas com disfunção hormonal podem sentir o mesmo efeito, uma vez que se a Leptina for produzida em excesso pelo corpo, a sensação de saciedade será menor, fazendo assim com que a pessoa coma mais do que necessário. 

6 – Insulina 

A insulina é o hormônio responsável por controlar o nível de glicose (açúcar) no sangue e levá-la para as células. 

Quando encontrada em níveis desregulados no organismo, pode ocasionar a predisposição ao diabetes e ainda aumentar os estoques de gorduras no organismo, principalmente em regiões próximas à barriga e cintura, causando assim dificuldade na perda de peso. 

Como saber se eu tenho disfunção hormonal?

Problemas hormonais podem ser identificados no organismo através da realização de um exame de sangue. É através da medição dos níveis hormonais presente na circulação sanguínea, que se descobre alterações nas dosagens hormonais presentes no corpo. 

Onde fazer o exame de dosagem hormonal em Araçatuba?

Dúvidas quanto aos seus hormônios? Acha que algo está acontecendo? Seu médico solicitou um exame de sangue para que seja feita a dosagem hormonal? Se você mora em Araçatuba, nós podemos ajudar! Somos um laboratório reconhecido em toda região pela qualidade oferecida em nossos serviços e claro, contamos com uma equipe de biomédicos especializados para garantirem os melhores e mais precisos resultados. 

Agende seu exame clicando aqui, ou acesse nossas redes sociais clicando aqui (Facebook) ou aqui (Instagram)

LEIA TAMBEM

Tudo o que você deve saber sobre as variantes da COVID-19

A pandemia da COVID-19 mudou o cenário mundial. O vírus surgiu no final de 2019 em Wuhan, na China, foi se espalhando e mudando a realidade. Com seu alto quadro de transmissão as medidas preventivas tomadas foram ficando cada vez mais severas. 

Medidas como o distanciamento entre as pessoas, uso constante de álcool gel, uso de máscara, quarentena e em alguns países o lockdown, que é uma medida ainda mais extrema, um confinamento, protocolo de isolamento que impede o movimento de pessoas e cargas, salvo profissões consideradas essenciais.

Infelizmente a pandemia continua, o alarme inicial começou no início de 2020 e com o tempo foram surgindo variantes do vírus, aliás é sobre elas que vamos falar, então continue a leitura e confira!

O que é Mutação, Variante, Linhagem e Cepa?


Para entender melhor como funciona o vírus e suas mudanças listamos abaixo o que significa cada termo.

Mutação: é uma mudança aleatória que acontece com frequência no material genético do vírus e não necessariamente o deixa mais forte ou mais transmissível.

Variante: é o vírus que sofreu mutação durante seu processo de replicação e quando essa mudança começa aparecer muitas vezes, especialistas fazem o sequenciamento do genoma e se a mudança se fixar então se configura como uma variante. O vírus original pode ter variantes diferentes.

Linhagem: é o conjunto de variantes que se originaram de um vírus ancestral, o primeiro vírus identificado.

Cepa: é a variante ou um grupo de variantes que se comporta diferente do vírus original. Quando um agrupamento viral desenvolve a capacidade de transmissão e de multiplicação, de produzir sintomas ou estimular resposta no organismo que difere do vírus original, ele constitui uma cepa. Uma linhagem pode ter várias cepas.

O coronavírus compõe uma família diversa e em humanos o primeiro isolado ocorreu na década de 60, mas apenas em 2002 com o surgimento do Sars entrou para a lista de potencial ameaça à saúde humana. 

O Sars-CoV-2, da COVID-19, é uma cepa e à medida que se espalhou foi sofrendo mutações e assim foram surgindo novas variantes.

As Variantes da COVID-19


Em dezembro de 2020 começaram a ser citadas variantes do Coronavírus Sars-CoV-2 e a OMS (Organização Mundial de Saúde) passou a batizá-las com as letras do alfabeto grego, consideradas de pronúncia fácil.

E de acordo com a OMS as variantes do coronavírus estão classificadas em três categorias: Variantes de Preocupação, Variantes de Interesse e Sob Monitoramento.

É muito importante a identificação da variante, pois assim é possível tomar medidas de identificação do vírus, vigilância, prevenção e controle da infecção, facilitando assim o tratamento e a diminuição do número de casos.

Variantes de Preocupação 

As Variantes de Preocupação são as mais transmissíveis e resistentes, apresentando maiores chances de desenvolverem infecções graves, isso devido a mutação da proteína S (spike), que está presente na superfície do vírus e faz a ligação com as células humanas. E essa categoria apresenta 5 variantes, são elas:

1 - Variante Alfa: inicialmente denominada B.1.1.7, identificada no Reino Unido em setembro de 2020, foi a primeira variante preocupante. De uma linhagem altamente transmissível, que já foi detectada em 100 países e que domina os Estados Unidos na atualidade. 

Principais mutações na proteína Spike: N501Y, P681H, H69-V70 e Y144/145. 

A mutação N501Y está associada à maior capacidade de infecção.

2 - Variante Beta: a B.1.35 (também as B.1.351.2/B.1.351.3), identificada na África do Sul em dezembro de 2020. Também é altamente transmissível, chegando a 50% a mais, no entanto foi a que menos se espalhou pelo mundo. É capaz de infectar pessoas que se recuperaram da COVID-19 e pessoas vacinadas e até diminuir a eficácia de algumas vacinas. Presente em 68 países e ativamente na África do Sul.

Principais mutações na proteína Spike: K417N, N501Y e E484K.

A mutação E484K, que está ligada ao escape imunológico e a mutação N501Y, pode ajudar outras variantes a se tornarem mais contagiosas. 

3 - Variante Gama: a antiga P.1 (também as P.1.1/P.1.2), identificada no Brasil em dezembro de 2020 em turistas japoneses que voltaram do país. Altamente transmissível e com agressividade em investigação. Já está presente em 37 países, principalmente no Brasil, mas as vacinas são eficientes contra ela.

Principais mutações na proteína Spike: K417N, N501Y e E484K, assim como a Variante Beta.

4 - Variante Delta: a B.1.617.2 (também as AY.1/ AY.2), identificada na Índia em outubro de 2020, tornou-se uma Variante de Preocupação em maio de 2021, quando começou a se espalhar rapidamente, tornando-se dominante em vários países e sendo responsável pela maioria dos casos. É altamente transmissível quando comparada a catapora, isto é, uma pessoa infectada pode infectar até 8 ou 9 pessoas. Está presente em pelo menos 80 países, em domínio na Índia.

Principais mutações na proteína Spike: E484Q e L452R.

5 - Variante Ômicron: a B.1.1.529, identificada em novembro na África do Sul, mas que segundo a OMS foi identificada em múltiplos países, já é considerada a mais contagiosa e letal, sendo inclusive capaz de driblar o efeito das vacinas. Presente em 128 países, é altamente transmissível e tem se espalhado muito rapidamente em um ritmo acelerado, isso em poucas semanas.

Principais mutações na proteína Spike: K417N, Q493R, N501Y e Y505H. Ela também possui a mutação N501Y, já identificada nas Variantes Beta e Gama, sendo considerada capaz de multiplicar a proteína S, apontada também por diminuir o potencial de anticorpos neutralizantes e aumentar a expressão viral de RNA.

Variantes de Interesse

As Variantes de Interesse são as que foram identificadas, mas que ainda parecem não apresentar a facilidade de transmissão ou gravidade em comparação às Variantes de Preocupação. Continuam sendo monitoradas e avaliadas, podendo ser reclassificadas conforme apresentarem risco elevado ou não.

Atualmente a categoria apresenta 2 variantes, sendo elas:

1 - Variante Lambda: a C.37, identificada primeiramente no Peru em dezembro de 2020 e apontada como Variante de Interesse em junho de 2021. Presente em mais de 30 países, no entanto não apresenta muitos casos.

2 - Variante Mu: a B.1.621, identificada primeiramente na Colômbia em janeiro de 2021. Presente em 39 países, está deixando profissionais da saúde em estado de alerta com prevalência de 39% na Colômbia e 13% Equador, mas ainda sem apresentar risco para o restante do mundo.

Variantes Sob Monitoramento

 As Variantes Sob Monitoramento são aquelas que possuem alterações genéticas, mas suas características e impacto epidemiológico ainda estão sendo estudados, porém podem apresentar riscos no futuro. 

Atualmente a categoria apresenta 3 variantes, sendo elas:

1 - Variante C.1.2: identificada primeiramente na África do Sul.

2 - Variante B.1.640: identificada inicialmente na República do Congo em setembro de 2021. Vem sendo monitorada desde então, mas não apresentou grande ameaça, por isso ainda é cedo para evidenciá-la.

3 - Variante B.1.1.318: identificada no Reino Unido em fevereiro de 2021, desde então vem sendo monitorada. Foram identificados 16 casos pela variante, especialistas e a OMS estão preocupados, devido a mutação E484K, que pode driblar a ação das vacinas e provocar reinfecções em pessoas que já tiveram COVID-19.

Nova Variante!

A partir da Variante B.1.640 surgiu a nova cepa, a Ihu - B.1.640.2., identificada na França em novembro de 2021, mesma época em que a Ômicron, e divulgada em janeiro de 2022. O seu nome é uma homenagem à sigla do Instituto Hospitalar Universitário de Marselha, que foi responsável pela identificação e pouco se sabe sobre essa variante. O primeiro infectado por essa nova cepa foi vacinado e tinha acabado de voltar de Camarões. Foram identificados 12 casos nos Alpes do Sul. A Cepa apresenta 46 mutações genéticas, mas segundo a OMS e especialistas ainda não apresenta ameaça, portanto não é preocupante, diferente da Ômicron, e também vem sendo monitorada de perto. 


Sintomas e infecção pelas variantes


Os sintomas de infecção pelas variantes são praticamente os mesmos da cepa original, sendo que alguns não se manifestam em algumas delas.

A COVID-19 apresenta os seguintes sintomas:

  • Tosse seca persistente;
  • Cansaço excessivo;
  • Febre acima de 38º C;
  • Dor muscular;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de garganta;
  • Perda de gosto e/ou olfato;
  • Diarreia, em alguns casos;
  • Náusea ou vômito;
  • Dificuldade para respirar, nos casos mais graves.

E os Sintomas das Variantes são bem parecidos, por isso é difícil diferenciar os sintomas entre as cepas.

Na Variante Alfa os sintomas mais comuns são a febre, tosse persistente, calafrios, dores musculares e perda do olfato ou do paladar.

Na Variante Beta os sintomas mais comuns incluem febre, tosse, dor de garganta, falta de ar, diarreia, vômito, dor no corpo, cansaço e fadiga.

Na Variante Gama os sintomas mais comuns são dor de cabeça, dor de garganta e coriza, sendo muito semelhante a um resfriado forte. Em alguns casos foram relatados os sintomas como: febre, tosse, dor de garganta, falta de ar, diarreia, vômito, dor no corpo, cansaço e fadiga.

Na Variante Delta por exemplo, os sintomas mais comuns são a dor de cabeça, também dor de garganta, coriza, espirros, tosse persistente e febre. Alguns sintomas que eram bastante citados no vírus original são menos comuns na Delta, como perda de olfato ou paladar. Inclusive muito tem se confundido com gripes e resfriados, podendo estar com COVID da Variante Delta.

Na Variante Ômicron foram relatados sintomas, como cansaço extremo, dores no corpo, dor de cabeça e dor de garganta.

As Variantes em alta no Brasil: Delta e Ômicron


Em 2021, o Brasil teve casos de todas as variantes, mas os casos de predominância começaram com a Variante Beta, depois foi a vez da Variante Gama dominar de fevereiro a agosto, a partir de setembro a Variante Delta e nas últimas semanas de dezembro casos da Variante Ômicron dispararam.

Atualmente a Variante Ômicron tem se espalhado mais rapidamente do que a Delta, causando infecções em pessoas já vacinadas ou nas que já tiveram COVID-19 e se recuperaram. A evolução da variante é preocupante e remete a segunda onda no Brasil que tanto se falou. Essa variante tem causado 90% das detecções em um curto período, do final de dezembro ao início de janeiro de 2022. Com isso, além de ser recomendada a prática das já conhecidas medidas de prevenção, também muitos eventos foram cancelados, como queima de fogos na virada do ano em alguns centros e o Carnaval na maioria das capitais.

A prevenção e os cuidados


Continuam as ações de prevenção, com uso de álcool gel, máscara, testes preventivos para evitar proliferação e claro, as vacinas.

A vacinação é extremamente importante, pois com ela os casos de internação e complicações tiveram grande redução.

Segundo dados do IBGE em 07 de janeiro de 2022, o Brasil está com 144.010.390 milhões da população vacinada com as duas dozes ou dose única, o equivalente a 67,51% da população adulta nacional. E 161.601.808 milhões com a 1ª dose, o equivalente a 75,76%. Com a 3ª dose, a adicional, o número já chega a 28.711.937 milhões, o equivalente a 13,46%.

Em Israel, o país iniciou a aplicação da 4ª dose para toda a população, no Brasil a proposta inicial é de vacinar idosos e pessoas com saúde debilitada com a 4ª dose, para uma maior proteção. Além disso, pretende se começar a vacinação nas crianças de 5 a 11 anos, depois de grande discussão, afinal essa medida já é adotada em países da Europa e Estados Unidos. A previsão para iniciar a vacinação em crianças no Brasil, segundo o ministro da saúde Marcelo Queiroga, é a partir da segunda quinzena de janeiro de 2022.

Exames Laboratoriais em Araçatuba

Mora em Araçatuba e não sabe onde realizar seus exames laboratoriais? O Laboratório Exame é a melhor opção para você, inclusive testes de COVID-19! Contamos com uma equipe de biomédicos especializados, prontos para entregar resultados eficientes com agilidade e muita segurança. 

Você pode saber mais sobre um dos testes de COVID mais usados, que é rápido e indolor, no nosso artigo  Teste de Antígeno para Covid-19.

 E aí, precisa realizar algum tipo de exame? Entre em contato e agende já o seu! Se ainda tiver alguma dúvida você pode clicar aqui e conferir algumas em nosso site ou tirá-las diretamente conosco. 

Gostou do nosso conteúdo? Fique de olho em nosso blog. 

Aproveite e acompanhe nossas redes sociais para mais dicas: Instagram e Facebook

Fale conosco ligando no telefone (18) 3622-0011 ou através do WhatsApp (18) 98119-3963.


A importância do Check-up para manter a saúde em dia

Para ter uma boa qualidade de vida é essencial manter uma rotina saudável com bons hábitos, aliás o cuidado com a saúde está nos detalhes.

A saúde é um bem precioso e mantê-la em dia requer alguns cuidados, como uma alimentação equilibrada, rica em proteínas, legumes, verduras e frutas, praticar exercícios físicos, ter boas noites de sono e claro, visitas periódicas e preventivas ao médico e assim exames, o Check-up.

E é sobre isso que vamos falar nesse artigo, a importância, benefícios e principais exames de um Check-up, então continue a leitura e confira!

O que é Check-up?


O Check-up, nada mais é do que uma avaliação médica de rotina, na qual são realizados exames específicos, levando em consideração diversas características pessoais do paciente, como sua idade, sexo, histórico familiar, etc.

Ou seja, o Check-up é uma ação preventiva, pois através dele é possível identificar alterações no organismo, problemas e/ou doenças. Inclusive doenças que não apresentam sintomas e com a realização de exames podem ser detectadas e tratadas precocemente. 

Importância e regularidade do Check-up


O Check-up é essencial para a manutenção da saúde, pois tem efeito preventivo, ajudando a evitar doenças ou identificá-las no estágio inicial, o que proporciona mais eficiência aos tratamentos. Assim é possível diagnosticar doenças silenciosas que acometem várias pessoas, como o Diabetes, e outras doenças até mesmo de herança genética, como o Câncer e doenças cardiovasculares. Aliás conhecer o histórico genético, junto ao Check-up ajuda muito a preveni-las. 

Isto é, o Check-up ajuda a aumentar a qualidade de vida, principalmente quando aliado a uma dieta balanceada, carteira de vacinação em dia, exercícios físicos e hábitos saudáveis como deixar de fumar e ingerir bebidas alcoólicas.

O ideal é manter os exames atualizados regularmente, ou seja, o indicado para o Check-up é que seja realizado anualmente, a partir do primeiro mês de vida. Porém alguns casos exigem maior periodicidade, como o de pessoas com doenças crônicas, em que é indicado que seja feito a cada seis meses ou de acordo com a recomendação médica. 

Benefícios do Check-up


  • Auxilia na prevenção de doenças
  • Detecta problemas de saúde em fase inicial e ajuda a começar o tratamento o quanto antes
  • Ajuda a identificar doenças relacionadas ao estresse
  • Custos mais baixos a longo prazo, pois os riscos de doenças potenciais são reduzidos
  • Aumenta as chances de bons resultados em tratamentos e cura
  • Ajuda a manter o sistema imunológico forte junto a outros hábitos saudáveis

Principais exames


Hemograma;

Colesterol total e frações;

Aferição de pressão;

Triglicerídeos;

Glicemia em jejum;

Eletrocardiograma;

Ecocardiograma;

Exame de fezes; 

Exame de urina;

Ureia e Creatina;

Hepatograma;

TSH e T4 Livre - Exames de tireoide;

Fosfatase alcalina;

Gama-glutamiltransferase (GGT);

PCR;

Ácido Úrico;

Raio-X do Tórax;

Teste Ergométrico;

Exames oftalmológicos.

  • Idade: Com o avançar da idade os cuidados devem ser redobrados, por isso ao chegar aos 40 anos alguns exames entram na lista, além disso a periodicidade pode mudar.
  • Mulheres: Para as mulheres também deve haver maior atenção e cuidados especiais, devido as suas características específicas, principalmente relacionadas ao sistema reprodutivo. Exames como: Mamografia (essencial aos 40 anos e para mulheres com histórico familiar a partir dos 30 anos). Também o Papanicolau, a fim de identificar possíveis alterações no colo do útero e a Ultrassonografia endovaginal também para prevenção do Câncer.
  • Homens: Para a saúde do homem também existem especificidades que devem ter maior atenção. Exames como: exame de próstata, realizado em homens com mais de 40 anos e para auxiliar o diagnóstico o exame de sangue – dosagem de PSA.

Esses são os principais exames solicitados em um Check-up, por isso o ideal é sempre procurar um médico de confiança, que irá avaliar suas características e necessidades, para então indicar e solicitar a realização de exames específicos ou até fazer o encaminhamento para outro especialista.

E aí, conseguiu entender qual é a importância de fazer um Check-up? Afinal, através dele é possível prevenir doenças, identificá-las previamente e realizar tratamentos mais eficientes. Então aproveite, cuide da sua saúde e realize seu Check-up regularmente!

Gostou do nosso conteúdo? Acesse nosso blog e descubra muitos outros interessantes. Aproveite e acompanhe nossas redes sociais para mais dicas: Instagram Facebook.

E lembre-se, conte sempre com o Laboratório Exame para realizar os seus exames com eficácia e qualidade. Se quiser já pode agendar o seu, ligue para o telefone (18) 3622-0011 ou envie uma mensagem pelo WhatsApp (18) 98119-3963.


O que pode alterar um exame laboratorial?

Quando o assunto é resultado de exame, a maioria das pessoas tem dúvidas em relação ao momento que antecede a coleta de sangue. São perguntas que passam na cabeça de muitas pessoas, como por exemplo, se é permitido consumir bebida alcoólica ou praticar exercícios físicos na véspera de um exame de sangue, como também o período de jejum que cada exame exige. Você sabia que mudar a dieta, porque vai realizar exames para medir os níveis de gordura, como colesterol, pode fazer com que os resultados no exame sejam alterados? Nesse conteúdo, vamos compartilhar os principais fatores sobre este assunto. A seguir, listamos as principais indicações para os exames laboratoriais.

O que pode alterar um exame de laboratório?

• Jejum antes de alguns exames

Alguns procedimentos precisam da restrição alimentar de, pelo menos, 3 horas. Já exames para medir a glicose no sangue requerem pelo menos jejum de 8 horas. O ideal é pedir orientação no laboratório sobre cada exame. Uma dica: prefira uma alimentação mais leve, após a realização dos exames que necessitam de jejum.

• Realizar exame de imagem

Fazer exame de imagem antes da coleta de sangue não é permitido. Alguns exames de imagem exigem o uso de contraste por via oral, venosa, arterial e por outras vias em situações específicas. A recomendação é que os exames de laboratório sejam feitos antes da realização dos exames de imagem ou após 72 horas depois de realizado.

• Atenção ao período do mês

Durante o período menstrual, as dosagens hormonais são alteradas, especialmente os hormônios sexuais. Por isso, no laboratório as mulheres são questionadas sobre quando ocorreu a última menstruação.

• Praticar atividade física

Atividade física pode alterar o resultado dos exames. É recomendado avisar ao laboratório sobre o hábito de se exercitar. A prática de atividades físicas gera queima de calorias, que reduz os níveis de glicose no sangue, além de produzir metabólicos como o ácido lático e a creatinofosfoquinase (CPK).

• Cigarro antes da coleta

O fumo pode alterar alguns testes, como a dosagem de glicose. Por isso é recomendado que o paciente não fume no dia do exame.

• Noite de sono mal dormida

O sono interfere em todo o funcionamento do organismo e uma noite mal dormida infere nos níveis sanguíneos. Alguns exames exigem repouso antes da coleta, como por exemplo, a Prolactina.

• Alteração na alimentação

É importante manter uma alimentação normal, sem grandes alterações na dieta habitual. Caso contrário, os resultados obtidos serão falsos. Especialmente se fizer uma alimentação rica em gordura que pode elevar a concentração de triglicérides, enquanto a ingestão excessiva de alimentos repletos de proteína podem elevar os níveis de amônia, ureia e ácido úrico.

• Chá ou café

Qualquer alimento, com exceção de água, ao ser ingerido, interrompe o jejum, seja um chá ou café. Logo, eles alteram o resultado do exame, porque modificam algumas dosagens bioquímicas.

• Água em excesso

A água também em excesso pode alterar os resultados dos exames, o ideal é consumir a média recomendada por dia: 3 litros para um adulto. Mesmo que a água não quebre o jejum, ela pode alterar os exames de urina, por exemplo.

• Medicamentos antes do exame

Alguns medicamentos inferem nos resultados dos exames. Os antibióticos e anti-inflamatórios, por exemplo, causam alterações nos testes de coagulação do sangue. Cabe ao médico informar ao paciente sobre a suspensão desses medicamentos.

• Consumo de bebidas alcoólicas

Bebidas alcoólicas devem ser suspensas até 72 horas antes da coleta de sangue. O consumo de álcool pode alterar os resultados de colesterol e glicose, porque interfere no metabolismo dos açúcares.

Por que se preparar para um exame laboratorial?

Conforme citamos no início do texto, é importante saber o que fazer quando for realizar um exame laboratorial. Até porque, são muitos detalhes que confundem, e com as informações corretas você poderá realizar seus exames com tranquilidade e segurança, tornando sua vida muito mais prática. Quando o assunto é saúde, deve ser levado a sério. Busque sempre orientação do seu médico.

Onde fazer seus exames laboratoriais em Araçatuba?

O Laboratório Exame utiliza uma extensa variedade de recursos tecnológicos que executam, de forma integrada, mais de 1.000 tipos diferentes de testes diagnósticos submetidos a rigorosos controles de qualidade por meio de auditorias internas e externas, entre as quais destaca-se a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (SBPC), que concede o Certificado de Qualidade. Você pode realizar seu check-up completo com confiança e segurança. Clique aqui e conheça nossos serviços e exames oferecidos pelo Laboratório Exame. Fale conosco ligando no telefone (18) 3622-0011 ou enviando uma mensagem em nosso (Facebook) ou aqui (Instagram)